Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Os maiores desertos do Mundo

Mäyjo, 08.04.20

deserto.jpeg

 

Deserto, em Geografia, é uma região que tem pouca precipitação. Muitos desertos têm um total anual de precipitação inferior a 400 mm.

Uma consequência desta característica é serem regiões quentes e áridas e por isso serem também áreas com pouca vida.

Além dos desertos quentes, podemos também encontrar os desertos frios, como são os casos da Antártida e no Ártico. 

 

1 – Antártida (13.829.430 km2)

Por estranho que possa parecer a Antártica surge nesta lista, pois, apesar do muito gelo, esta é uma grande área na qual a evaporação ultrapassa a precipitação.

 

2 – Ártico (13.726.937 km2)
Se o primeiro lugar em extensão territorial está no Polo Sul, o segundo está no Polo Norte. O deserto do Ártico é outra área fria que, apesar do gelo, tem também uma evaporação muito superior à precipitação anual. Estas áreas também são conhecidas como desertos polares ou desertos frios.

 

Na lista dos maiores desertos, os desertos que se seguem são desertos quentes.

 

3 – Saara, no Continente Africano (9.100.100 km2)
Surge em terceiro lugar o grande deserto do Saara, que é também conhecido por ser o maior deserto de areia em extensão territorial.

 

4 – Deserto da Arábia - Oriente Médio (2.300.000 km2)

É um deserto localizado na região da Arábia Saudita. As temperaturas variam entre os 40°C e até 50°C no período mais quente e de 5°C a 15°C no período mais frio.

 

5 – Deserto de Gobi - China (1.300.000 km2)

É um extenso deserto entre a região norte da República Popular da China e região sul da Mongólia, a palavra Gobi significa deserto em mongol. A temperatura média anual é de -2,5°C a 2,8°C.

 

6 – Deserto de Kalahari - sul da África (900.000 km2)

Abrange áreas do sul da África e é gerado devido as condições atmosféricas locais, como a corrente marítima fria de Benguela que atua na costa sudoeste da África.

 

18 florestas que parecem ter saído de um conto de fadas, mas são reais

Mäyjo, 25.09.15

Florestas e seus caminhos misteriosos têm sempre um grande charme e um grande mistério, principalmente porque sempre as associamos a filmes e contos fantásticos.

E essa beleza toda atrai muitos admiradores, visitantes, turistas e fotógrafos, alguns que até se especializam em registrar esses cenários mágicos.

Se um dia visitar algum desses países, garanta também uma visita a esses locais:

florestas1

Rila Mountains, na Bulgária, por Xiao Yang

florestas2

Moss Swamp na Roménia, por Adrian Borda

florestas3

Região de montanhas White Carpatians na República Checa, por Janek Sedlar

florestas4

Beskydy Mountains, na República Checa, por Jan Bainar

florestas5

Floresta Otzarreta, no País Basco, por Javier de La Torre

florestas6

Trilha Hemlock, em Taiwan, por Justin Jones

florestas7

Floresta da República Checa no inverno, por Jan Machata

florestas8

North Greenwich, em Londres, por Andy Linden

florestas9

Stanton Moor, no Reino Unido, por James Mills

florestas10

Vagalumes em uma floresta em Nagoya, no Japão, por Yume Cyan

florestas11

Crooked Forest, na Polónia, por Faberovsky

florestas12

Floresta na Bélgica por Kilian Schönberger

florestas13

Floresta no Japão por Hidenobu Suzuki

florestas14

Ghost Tree Forest, na Colúmbia Britânica, no Canadá, por Erica Smith

florestas15

Floresta na Noruega, por Brit Aase

florestas16

Bog Forest, na Estónia, por Kiksar

florestas17

Kamacnik, na Croácia, por Vanja Vukadinović

florestas18

Floresta na Itália, por Leonid Litvac

Desertos e Semidesertos

Mäyjo, 15.01.15

deserto11.jpg

Arizona

 Existem regiões áridas em todos os continentes. Quase sempre, elas são dominadas por altas pressões atmosféricas ou anticiclones, isto é, por centros dispersores de ventos. Por esse motivo, não recebem os ventos húmidos causadores de chuvas.

As altas pressões subtropicais, ao se instalarem sobre os continentes, são as principais responsáveis pela existência das regiões áridas. Por isso grande parte dessas regiões está localizada em latitudes subtropicais.

De qualquer modo, os ventos de todas as regiões áridas são secos.

As regiões áridas apresentam duas características essenciais: 

- Escassez e irregularidade de chuvas;

- Grande variação diária da temperatura.


Dependendo da quantidade de chuvas caídas durante o ano, as regiões áridas são classificadas em:


- Desertos ou regiões áridas propriamente ditas, onde chove menos de 250 mm por ano;

- Semidesertos ou regiões semiáridas, onde chove de 250 a 500 mm por ano.


Geralmente os desertos estão situados no interior das regiões áridas.


As temperaturas das regiões áridas variam com a latitude. Se a temperatura média do ano for maior que 20 °C, podemos dizer que o deserto é quente. O Saara e o deserto da Arábia, por exemplo, são quentes.


Se a temperatura média do ano for menor que 20 °C, o deserto é frio. E o caso do deserto de Gobi, localizado em grande parte na Mongólia; a outra parte situa-se na China.


Portanto, as regiões áridas podem ser quentes ou frias. Em qualquer dos casos existe uma grande variação diária da temperatura.


Seja qual for o deserto, em condições naturais a agricultura é quase impossível nos desertos. Além da falta da água para as plantas, os solos não se prestam ao cultivo.

Clima ajudou conquistas de Gengis Khan

Mäyjo, 14.12.14

Clima ajudou conquistas de Gengis Khan

Como é que pequenos bandos de mongóis, a cavalo, conseguiram conquistar e manter, durante décadas, grande parte do mundo conhecido até então? Há muitas razões, certamente, mas cientistas da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, explicam que uma delas foi a sorte de terem gozado do clima mais suave e húmido dos mil anos anteriores.

De acordo com Neil Pederson, co-autor do estudo e responsável do Observatório da Terra de Lemont-Doherty daquela universidade, os anéis das árvores mais antigas da Mongólia prova que o bom tempo ajudou à demanda de Khan e dos seus generais. Estes anéis mostram que, no tempo de ascensão do império mongol, entre 1211 e 1225, as estepes normalmente frias e áridas da Ásia Central tiveram um clima bem mais moderado.

A produção de erva terá crescido e permitido a alimentação de um grande número de cavalos e gado, que acompanhavam os guerreiros. Segundo o Los Angeles Times, os anéis estudados, que datam de 900 a 2011, exibem ainda algo preocupante: desde meados do século XX, a região aqueceu rapidamente, e a seca recente foi a mais severa registada, talvez um efeito colateral do aquecimento global.

Os membros do exército de Khan teriam cinco cavalos cada um, um trunfo para que lhes permitiu conquistar rapidamente uma área que se estende do leste da Ásia até o leste da Europa.

“A natureza pôs a mesa e Khan veio comer”, explicou ao LA Times Amy Hessel, da Universidade da Virgínia Ocidental. Os anéis anuais dos troncos das árvores variam em relação à humidade e temperatura, e podem ser lidos como um livro, de acordo com Neil Pederson.

Na verdade, e numa região, já por si, com escassez de água, esta nova seca está a promover um novo movimento migratório – num local onde as pessoas viveram da mesma forma durante séculos, movendo-se constantemente o gado e morando em tendas.